Inovação e soluções para o trânsito nas grandes cidades

3 minutos para ler

Inovação para o trânsito das cidades

O trânsito é um dos grandes problemas das metrópoles ao redor do mundo e no Brasil isso não é diferente. Em São Paulo, por exemplo, entre 2001 e 2011 a população cresceu 7,9%, enquanto que o número de carros aumentou 68,2% – e não para por aí. Levando em consideração todo o país, segundo dados do Denatran, entre os meses de junho e julho de 2015 foram inseridos 163.226 carros novos nas ruas, o que dá um total de 5.441 automóveis por dia. Ampliando a linha de raciocínio, o Brasil também tem, todos os dias, 45 milhões de carros circulando nas ruas.

Administrar uma quantidade grande de automóveis não é fácil; São Paulo concentra a maior parte dos carros no Brasil e, consequentemente, tem o pior trânsito em território nacional – o paulistano gasta, em média, 2 horas e 46 minutos por dia no tráfego.

Reduzir o tempo de permanência das pessoas nas ruas é um dos principais desafios dos governos, mas existe alguma forma de tornar o gerenciamento desse problema mais fácil?

A internet das coisas pode nos ajudar a entender melhor o problema

Identificar os pontos de maior engarrafamento nas metrópoles já foi um grande problema – e atualmente já temos uma solução. Hoje, sistemas conectados ao GPS de automóveis e a dispositivos móveis (como smartphones) enviam sinais que indicam onde o fluxo de automóveis é mais intenso. Essa é apenas uma das aplicabilidades da internet das coisas, que pode ajudar os gestores a entender melhor o trânsito e os focos de congestionamento.

A internet das coisas pode auxiliar no investimento em locais de maior congestionamento para melhoria da mobilidade

Conhecendo melhor o problema é possível montar estratégias e trazer soluções. Sabendo a dimensão exata do trânsito, onde está seu foco e qual sua causa, tem-se o poder de reestruturar as vias urbanas e a mobilidade, fazendo com que o tráfego fique mais fluido. Assim, podemos evitar o engarrafamento e, consequentemente, diminuir o número de acidentes. Utilizando os dados gerados a partir de sensores de movimento nas ruas, é possível saber o número de carros por hora em um local específico e, assim, criar caminhos alternativos, ajudando no descongestionamento das cidades.

Estacionamentos inteligentes

Um dos grandes agravantes do trânsito nas grandes cidades é a falta de vagas e locais adequados para estacionar. Isso leva o motorista a reduzir a velocidade com a qual está dirigindo, parar em locais proibidos e atrasar o tráfego para aproveitar espaços livres nas ruas. Mas, e se sensores espalhados pelas ruas detectassem vagas disponíveis e transmitissem essas informações para painéis de direcionamento de tráfego em toda a cidade? A cidade de Pisa, na Itália, por exemplo, aderiu a essa solução, possibilitada pela internet das coisas, que pode ser facilmente implementada nos grandes centros, nos locais de maior fluxo de carros e em áreas comerciais, fazendo com que a movimentação pela cidade se torne mais rápida.

A internet das coisas e o investimento no futuro

Se hoje em dia o trânsito das cidades está ruim, imagine daqui há 10 ou 20 anos. Para otimizar o funcionamento das ruas e a mobilidade urbana, a internet das coisas é, definitivamente, o grande investimento para o futuro, pois possibilita uma nova forma de gestão e planejamento do trânsito.

Posts relacionados
Share This