Atualmente, o mercado se tornou tão competitivo, que as empresas não podem prescindir de planejar cada passo de suas ações. Afinal, um erro pode significar a perda de uma boa parcela do mercado — a qual pode nunca ser recuperada —, uma vez que seus concorrentes estão esperando qualquer tropeço seu para superá-lo.

Nesse contexto, entram em cena o planejamento estratégico, o tático e o operacional. Cada um deles tem suas características específicas, sendo que podem ser feitos em conjunto. Por algum motivo, eles foram colocados como excludentes um do outro, forçando os gestores a escolher.

No entanto, o que vemos hoje é que as empresas se beneficiam dos três e podem, tranquilamente, executá-los simultaneamente. Leia nosso post e entenda melhor esses conceitos essenciais na administração empresarial.

Quais são os conceitos de planejamento estratégico, tático e operacional?

Planejamento estratégico

O planejamento estratégico é o conjunto de processos que definirão a direção que um negócio vai tomar no futuro. 

Em outras palavras, ele representa o passo a passo que a empresa deve seguir para conseguir alcançar sua missão e seus objetivos. Sendo assim, ele visa a auxiliar principalmente os gestores e a direção na tomada de decisões sobre a alocação de recursos. Com isso, em vez de gastar fundos preciosos com atividades pouco produtivas, o gestor pode focar somente nas que mais representam os objetivos estratégicos do negócio.

Basicamente, o planejamento estratégico lida com três questões-chave:

  • o que nós fazemos?;
  • para quem fazemos isso?;
  • como nós superamos nossas dificuldades?.

Esses questionamentos motivam os investimentos de uma empresa, que, por sua vez, devem ser meticulosamente planejados. Somente assim eles podem ser lucrativos. E é para isso que existe o planejamento estratégico, o qual introduz uma cultura de tomada de decisões sempre baseadas em aquisições que avancem o negócio na direção de sua missão.

Planejamento tático

O planejamento tático, diferentemente do anterior, não envolve decisões de longo prazo. Portanto, não tem como finalidade a tomada de decisões pelo planejamento da missão da empresa, e sim objetivos mais imediatos.

Ele enfatiza as atuais operações de várias partes da organização. Por isso, é chamado também de “planejamento de curto alcance”, pois é definido como um período de tempo que se estende por cerca de um ano ou menos no futuro.

Os gerentes usam o planejamento tático para descrever o que as várias partes da organização deverão fazer para que ela seja bem-sucedida no mercado imediato. Portanto, não lida com questões mais profundas, como o posicionamento da empresa nos próximos anos. São questões mais urgentes, como investimentos nas áreas de produção, marketing, pessoal, finanças e instalações da planta.

Planejamento operacional

O planejamento operacional é o processo de vinculação de metas e objetivos estratégicos com metas e objetivos táticos.

Ele descreve marcos e condições para o sucesso e explica como ou qual parte de um plano estratégico será implementada durante um determinado período operacional. Um plano operacional aborda quatro questões principais:

  • onde estamos agora?;
  • onde queremos estar?;
  • como chegaremos lá?;
  • como medimos nosso progresso?.

Uma das diferenças entre os planos estratégicos e operacionais se relaciona com seu prazo e seu alcance. Os planos operacionais tendem a abranger períodos de tempo mais curtos. Eles também cobrem uma área ainda mais estreita do que o planejamento tático. Assim, o plano operacional se torna a forma de execução tanto do tático quanto do estratégico.

Com quais riscos cada planejamento deve lidar?

No planejamento estratégico

Os investimentos sempre devem ser meticulosamente planejados. Somente assim eles podem ser lucrativos. Para isso, existe o planejamento estratégico, o qual introduz uma cultura de tomada de decisões sempre baseadas em aquisições que avancem o negócio em direção da sua missão.

No entanto, por mais estratégica que seja uma decisão, não podemos ignorar os seus riscos.

Tudo relacionado ao mundo dos negócios é incerto: a execução de um plano estratégico é afetada por incertezas significativas, que podem estar totalmente fora do controle da administração — conflitos geopolíticos, desastres climáticos, crises econômicas etc.

Esses contratempos devem fazer sempre parte dos planejamentos estratégicos e, por isso, são chamados de “riscos estratégicos”.

No planejamento tático

Devido ao horizonte temporal e à natureza das questões tratadas, os percalços potencialmente ocorridos durante a execução de um plano tático devem ser cobertos por incertezas moderadas e que estão mais perto do controle da administração — como preços dos insumos no próximo ano, consumo de energia etc — do que os riscos estratégicos.

No planejamento operacional

Os riscos operacionais são aqueles decorrentes das pessoas, sistemas e processos por meio dos quais uma empresa opera.

Eles podem, portanto, incluir outras classes de risco, como fraude, riscos legais, riscos físicos ou ambientais. Ou seja, são todos os riscos inerentes ao próprio fato de sua empresa estar funcionando no momento. São, portanto, os eventos mais frequentes e imediatos — para os quais sua empresa deve sempre estar preparada com planos de contingenciamento de danos.

Quais são os benefícios dos planejamentos estratégico, tático e operacional?

O planejamento estratégico é a sua empresa definindo seus objetivos de posição de mercado, eficácia operacional ou de modelo de negócios. Assim, é um conjunto de ações que lhe darão uma vantagem competitiva sustentável. É, portanto, uma maneira de pensar sobre o mundo empresarial, em que as empresas deixam de ser fábricas de números e passam a integrar um objetivo maior de intervenção no mundo.

Dessa forma, planejamento estratégico é um processo para produzir ideias inovadoras e criativas que sirvam como norte para influenciar o mundo no futuro.

Ele pode ter uma influência imediata sobre sua empresa e tem como benefícios:

  • definir claramente o propósito da organização e estabelecer metas e objetivos;

  • tomar decisões de negócio inteligentes;

  • criar um negócio de longa duração;

  • aumentar a rentabilidade e a participação no mercado;

  • promover uma diferenciação única: evite a “convergência competitiva”;

  • aumentar a satisfação no trabalho.

Um benefício adicional do planejamento estratégico é o plano de ação natural que decorre da identificação de sua estratégia definitiva.

Enquanto o planejamento estratégico envolve sua visão, missão e sonhos, ele também define as tarefas de seu plano de ação para alcançar os resultados desejados. Por exemplo, ao adotar uma estratégia de foco no público B2B, você “automaticamente” está elaborando um esboço de um planejamento estratégico.

Já os planos táticos são tipicamente de curta duração e descrevem o que uma empresa precisa fazer: a ordem das etapas, o pessoal e as ferramentas necessárias para atingir os objetivos estratégicos definidos anteriormente.

O plano tático de uma empresa pode incluir muitos de seus departamentos. Depois de completar e implementar o plano tático da sua empresa, você deve revisitar o plano regularmente para verificar se ela está seguindo realmente os planos previstos.

O planejamento tático é tão benéfico para as empresas porque as etapas desenvolvidas nele ajudam o gerente a encontrar ineficiências em suas operações. Uma vez que as falhas operacionais são descobertas, o gerenciamento pode tomar as medidas necessárias para fazer correções.

Os planos táticos também permitem que as empresas se beneficiem da contribuição de seus funcionários; afinal, para serem efetivos, eles devem incluir o máximo de indivíduos envolvidos nas operações do dia a dia de uma empresa.

Já o plano operacional é o meio pelo qual o plano estratégico da empresa deve ser implementado em um período de tempo mais curto. Ele documenta claramente o que a empresa pretende realizar no próximo ano, como e quais ações ocorrerão, quem na empresa será responsável por essas ações e quais são os resultados direcionados.

Um dos benefícios do planejamento operacional é que uma empresa é capaz de analisar o efeito de suas operações com lucro. O planejamento operacional disseca a posição financeira o negócio, identifica fraquezas e desenvolve maneiras de aumentar lucros. Além de ser um bom passo a passo para a execução do seu negócio, ele é capaz de ajudar a prever como um produto ou serviço se desenvolverá no mercado.

Quais são os objetivos e as metas de cada planejamento?

O planejamento estratégico fornece um plano para atingir os objetivos da empresa. Ao criar um plano estratégico, surgem certas metas que são inevitáveis para a empresa alcançar a posição que deseja. Compreender os objetivos organizacionais de um plano corporativo estratégico vai ajudá-lo a criar planos eficientes para orientar o crescimento da sua empresa.

No contexto do planejamento estratégico, a principal tarefa é a descoberta da missão da empresa — ou seja, o objetivo último, a intervenção que a empresa quer fazer no mundo. Por exemplo, um objetivo para uma empresa pode ser ter 50 colaboradores qualificados e ativos.

No entanto, isso não traduz uma meta estratégica ainda, pois é preciso saber qual é objetivo por trás dessa ação. Por exemplo, 50 funcionários pode ser uma forma de expressar o desejo de uma empresa mais dinâmica e mais respeitada no mercado.

O objetivo principal de um plano estratégico corporativo é identificar claramente os objetivos da empresa e desenvolver uma maneira de usar os recursos disponíveis para alcançá-los.

O plano descreve as especificidades dos objetivos, incluindo as formas com que o sucesso ou a falha serão medidos, quais atores dentro e fora da empresa devem ser afetados pela conclusão desses objetivos e sempre um limite de tempo. A partir daí, o plano descreve como utilizar eficientemente os recursos da empresa para alcançar esses objetivos.

Os planos táticos são, por sua vez, chamados de planos de ação a curto prazo, por dividirem metas e estratégias maiores em tarefas mais restritas e acionáveis.

A chave para um plano tático bem desenvolvido é ter ações especificamente atribuídas a funcionários específicos com prazos específicos. Objetivos corajosos e estratégias pensativas não produzem nada se não forem tomadas medidas para colocá-los em ação. São eles que dão a visão e as ações que tornam todo o planejamento realidade.

Os planos táticos normalmente devem se concentrar nos objetivos principais da empresa.

Evita-se um detalhamento muito grande de tarefas, uma vez que, assim, as atividades dos funcionários se tornam muito fragmentadas e difíceis para que eles entendam que elas convergem para uma meta. Por isso, “aumentar as vendas em 20% dentro de 12 meses” é um exemplo de um objetivo específico e mensurável, mas “aumentar a atividade de todos os setores em 20%” não é.

O planejamento operacional é como um mapa de orientação. O mapa ajuda a navegar até seu destino usando a maneira mais fácil possível e também orienta através de certos obstáculos e caminhos que você pode enfrentar. Sem ele, as chances de chegar ao destino final são muito escassas, e o processo não será senão desafiador e complexo.

O objetivo do plano operacional é esboçar, em detalhes, o funcionamento da empresa e as projeções de crescimento futuro. Fornece uma estrutura que descreve a abordagem de gerenciamento e também garante que abrange muitos aspectos relacionados ao financiamento, marketing, pessoal e outros recursos necessários para gerir um negócio bem-sucedido.

Há muitas razões pelas quais uma empresa deve ter um plano de negócios operacional. Isso ajuda o negócio a passar do startup ao sucesso. Observa-se que, sem isso, o mercado não poderia ficar focado nem operar de forma eficiente.

Uma vez que sua empresa esteja funcionando e pronta para ir, o plano de negócios operacional é a ferramenta perfeita para o desenvolvimento e gerenciamento de sua empresa.

Quais são as ações necessárias para cada um desses planejamentos?

Qualquer planejamento é inútil para uma organização sem meios de colocá-lo em prática. De fato, a implementação é uma parte essencial do processo de planejamento estratégico, e organizações que desenvolvem planos estratégicos devem incluir um processo para sua aplicação.

O processo de implementação específico pode variar de organização para organização, dependendo, em grande parte, dos detalhes do plano estratégico real, mas algumas etapas básicas podem ajudar no processo e garantir que a implementação seja bem-sucedida e que o plano estratégico seja efetivo.

Avalie o planejamento

O primeiro passo no processo de implementação é recuar e garantir que você saiba qual é o plano estratégico. Reveja-o cuidadosamente e destaque todos os elementos que possam ser especialmente desafiadores. Reconheça quaisquer partes do plano pouco realistas ou excessivas em termos de custo, tempo ou dinheiro.

Crie uma visão para o plano

Esta visão pode ser uma série de metas a serem alcançadas, passo a passo, ou um esboço de itens que precisam ser concluídos. Certifique-se de que todos saibam qual é o resultado final e por que é importante. Estabeleça uma imagem clara do que o plano estratégico pretende realizar.

Selecione os membros da equipe

Certifique-se de ter um time que te apoie e entenda o propósito do plano e as etapas envolvidas na sua implementação. Estabeleça um líder de equipe, se for diferente de você, que possa encorajar questões de equipe e campo ou resolver problemas à medida que surgem.

Programe reuniões para discutir relatórios de progresso

Crie uma lista de metas ou objetivos e deixe a equipe de planejamento saber o que foi realizado. Se a implementação está em cronograma, antes do cronograma ou atrasada, avalie regularmente a programação atual para discutir as mudanças que precisam ser feitas. Estabeleça um sistema de recompensas que reconheça o sucesso ao longo do processo de implementação.

Envolva a gerência superior quando apropriado

Mantenha os executivos da organização informados sobre o que está acontecendo e forneça relatórios de progresso sobre a implementação do plano. Deixar a gestão de uma organização saber sobre o progresso da implementação faz com que elas façam parte do processo — e, se surgirem problemas, a gerência será mais capaz de abordar preocupações ou mudanças potenciais.

Quais são os resultados e os indicadores de desempenho para cada planejamento?​

O rastreamento do sucesso empresarial é difícil. E a maioria das empresas comete o erro de medir o que já aconteceu em vez do que influencia esses resultados.

Definir metas pessoais, departamentais ou corporativas é fundamental para a maioria das pessoas, mas medir o desempenho em relação a esses valores não é suficiente. Ater-se a resultados de alto nível, como receita ou número de clientes, é um erro porque não responde como se chegou ali e o que deve ser feito em seguida.

Esta medida do progresso é uma característica essencial da implementação do plano organizacional — ou seja, os planos são uma coisa, mas fazer coisas realmente acontecerem é outra.

O gerenciamento da organização deve avaliar periodicamente o progresso e tomar medidas corretivas se o progresso não estiver sendo alcançado. Sem avaliação periódica do andamento, é provável que os planos estratégicos falhem.

Os termos “Medidas de Desempenho” e “Indicadores de Desempenho” significam o mesmo, e o uso da palavra “Chave” como nos Indicadores-Chave de Desempenho significa meramente as Medidas de Desempenho que são consideradas mais importantes.

O funcionário encarregado de alinhar com as associações da indústria é mais bem motivado com o entendimento de que sua avaliação de desempenho incluirá uma discussão de seu sucesso ou fracasso implementando esse objetivo.

Da mesma forma, cada gerente é responsável por supervisionar a execução das táticas da equipe. Quando uma tática pode ser quantificada, é mais provável que seja realizada.

Os seguintes são exemplos de como os Indicadores de Desempenho podem ser desenvolvidos e utilizados em um contexto esportivo:

Aumentar a qualidade dos programas

  • A equipe se colocará no top 10 nos campeonatos nacionais;

  • os ferimentos reportados serão inferiores a metade da figura das estações anteriores;

  • o número de reclamações dos participantes não será superior a cinco durante o ano.

Aumentar o número de treinadores

  • Uma série de três clínicas de treinamento serão realizadas para fornecer treinamento para os treinadores da organização;

  • um mínimo de 20 treinadores vai participar de cada clínica de treinamento.

Melhorar as instalações para o padrão nacional

  • A instalação será credenciada conforme apropriado para campeonatos e torneios nacionais e internacionais.

Aumento da receita de patrocínio

  • Um grande patrocinador estadual será encontrado;

  • a receita total de patrocínio atingirá R$ 50.000.

Os principais indicadores de desempenho são, portanto, um padrão ou ponto de referência que permite ao gerenciamento medir o resultado real das estratégias e fazer comparações entre resultados desejados e resultados reais.

Os principais indicadores de desempenho devem ser claros, ou seja, eles são alcançados ou não alcançados. Usando os principais indicadores de desempenho, o processo de gerenciamento comparará o que foi desejado com o que realmente aconteceu.

No entanto, apesar das suas diferenças, o planejamento estratégico, o tático e o operacional estão integralmente relacionados. O gerente precisa de um programa de planejamento tático e estratégico, e esses programas devem estar intimamente relacionados para ser bem-sucedidos.

Assim, pode-se inferir que o Gerenciamento de Risco Empresarial deve lidar muito com essas relações, e o uso de matrizes de Gráfico de Impacto de Probabilidade com múltiplas escalas arbitrárias definitivamente não é uma solução racional e transparente.

O planejamento estratégico é fundamental para o sucesso comercial. Diferente do planejamento corporativo clássico, a variedade estratégica envolve visão, missão e pensamento fora da caixa. Ele descreve aonde você quer que sua empresa vá, não necessariamente como você vai chegar lá.

No entanto, como todos os outros “planos de viagem”, sem saber aonde você quer ir, criar detalhes sobre como chegar não tem sentido.

É particularmente importante para os proprietários de pequenas empresas estabelecer metas de planejamento tático para ajudar a alcançar o sucesso.

É muito mais fácil criar orçamentos realistas e criar etapas de ação quando há um plano de som no lugar. É imperativo permitir alguma flexibilidade nesse tipo de plano, devido a ocorrências inesperadas. Os proprietários de pequenas empresas ganham foco ao estabelecer metas e objetivos por um período de tempo específico, como 12 meses.

Embora cada empresa possa ter um conjunto diferente de objetivos, é importante planejar estrategicamente para o futuro e estabelecer um planejamento tático adequado para apoiar o plano estratégico. Quando os planos são seguidos, os objetivos são facilmente alcançados.

Por isso, envolva todos os gerentes e pessoal-chave no seu projeto de plano de operações e configure um sistema de sugestões de funcionários. O principal objetivo do seu planejamento é identificar um fluxo realista e viável de procedimentos e processos em toda a sua empresa, e muitas vezes seus funcionários de baixo nível são a melhor fonte de informações sobre o bom funcionamento de suas operações.

Gostou do nosso post sobre as diferenças entre o planejamento estratégico, o tático e o operacional? Agora, que tal aproveitar a visita para conhecer um pouco mais sobre o que é planejamento corporativo?