Na busca por tentar conseguir melhorar os resultados da empresa e facilitar que os processos internos rodem bem, vale a pena pesquisar e testar vários tipos de metodologias e ideias que encontramos por aí.

Contudo, existe uma grande chance de você não conseguir chegar onde quer se não tiver um planejamento corporativo bem feito.

Se, por acaso, você não sabe direito do que se trata, não consegue perceber como utilizá-lo ou como fazer um, temos aqui todas as respostas de que precisa. Continue a leitura!

O que é planejamento corporativo?

Muito se fala na importância de fazer um planejamento corporativo. Fala-se, também, que é responsabilidade dos gestores desenvolver uma linha de trabalho a ser seguida por todos e coisas do tipo.

Para ajudar você a entender melhor essa ideia, perceba que o planejamento corporativo é uma ferramenta de gestão que orienta as tomadas de decisão avaliando sempre o ambiente interno e o externo das organizações.

Por conta disso, ele também exerce uma influência bastante forte em todos os planos de ação da empresa.

Dividido em três camadas e desenvolvido com base no pensamento estratégico, ele perpassa o trabalho de todos os gestores da empresa, podendo ser aplicado a qualquer tipo de negócio.

Planejamento estratégico

De todos os níveis, é o mais complexo. Ele é escrito pela alta direção da organização e tem sempre um olhar mais generalista. Avaliando a empresa e o mercado, normalmente traça o caminho para o atingimento das metas de longo prazo e serve como base para o segundo nível.

Planejamento tático

Seguindo as diretrizes do anterior, este cuida de assuntos de complexidade mediana, avaliando quais as melhores formas de se alocar e explorar os recursos da organização. Tem uma execução de médio prazo e, assim como o estratégico, serve de norte para o terceiro nível.

Planejamento operacional

Guiado tanto pelo tático como o operacional, esse planejamento vislumbra o curto prazo e se preocupa com o cumprimento objetivo das metas estabelecidas, de forma a garantir que as tarefas necessárias para isso sejam feitas da melhor forma possível.

Embora cada um desses planejamentos tenha suas peculiaridades, todos se relacionam de maneira que nenhum deles consiga cumprir seu papel sem o bom desenvolvimento dos outros dois.

Por que fazer?

Sem um planejamento corporativo, a organização perde completamente o senso de direção e não consegue tomar boas decisões quanto ao seu funcionamento. Assim, ficam prejudicados tanto o desempenho vigente como comprometidos os resultados futuros.

A existência de um planejamento corporativo bem traçado é percebida na economia de retrabalhos e também no ganho de velocidade com que os gestores poderão tomar decisões para eventuais correções de rota.

Outros dois pontos extremamente importantes proporcionados são a definição de indicadores consistentes com os objetivos da empresa e a possibilidade de se trabalhar inovação e sustentabilidade como diferenciais competitivos na busca de um maior market share.

O que compõe um bom planejamento corporativo?

Várias são as ferramentas e as soluções que podem ajudar a se construir um bom planejamento corporativo, mas o mais importante é que se saiba tomá-las de maneira adequada.

Para que se produza um bom planejamento, o ideal é que sejam buscados os instrumentos que melhor apoiem a tomada de decisão, de maneira que todos os gestores envolvidos consigam estar bem preparados para interagir com esses instrumentos sem que haja perda de rendimento ou más interpretações.

Outra preocupação com a metodologia e as ferramentas utilizadas é que elas sejam escolhidas de maneira que a aplicação no nível operacional seja fácil e consiga promover os resultados esperados.

Qualquer tipo de solução que não atenda a esses requisitos provavelmente não conseguirá oferecer as condições mais favoráveis para o atingimento das metas e ainda poderá causar o aumento dos custos da empresa.

Qual a época do ano para se fazer?

Como o ano é bem marcado por variações sazonais previstas com antecedência, o mais habitual é que se utilizem os últimos dois meses para o desenvolvimento do planejamento corporativo.

Isso porque, ao começar o ano seguinte, todo o planejamento já está devidamente estruturado e pronto para ser colocado em prática.

Em caso de negócios que sofram alterações muito significativas e que andem com algum descompasso com a virada do ano civil, pode-se pensar em elaborar o planejamento em outros meses, mas sempre pensando em deixar uma folga de 60 dias para a virada do ano comercial.

Qual o prazo ideal para um planejamento corporativo?

Como falamos no tópico acima, a revisão do planejamento corporativo deve ser feita, de preferência, anualmente, mas isso não significa que ele vá durar 12 meses. Tome muito cuidado para não confundir as coisas.

Considerando que existem três níveis ou camadas envolvidas no desenvolvimento de um planejamento corporativo completo, é possível que cada uma delas tenha períodos de duração distintos. 

Com alguma variação de empresa para empresa, mas mantendo uma boa proporcionalidade, o mais comum é que o planejamento estratégico seja pensado para durar, pelo menos, 3 anos. Dependendo do negócio, esse prazo pode até mesmo chegar a um tempo maior do que 10 anos.

O tático, aquele que é o intermediário, usualmente tem uma validade média de um ano.

Por último, o de nível operacional acaba tendo uma duração por volta dos 3 meses, mas, em alguns casos, pode ser concebido até mesmo para ter uma duração mensal.

Qual o papel dos gestores e dos colaboradores?

No meio de tantas diretrizes e planos, é preciso que se entenda bem a responsabilidade que cabe a gestores e demais colaboradores para que tudo seja convertido em bons resultados.

Quanto aos gestores, cabe a função de levantar todas as informações que forem relevantes de maneira que se possa enxergar o cenário em que a empresa está inserida. Fazendo isso de maneira correta, é possível ter uma visão realista do contexto e buscar a adoção de estratégias e instrumentos de planejamento que facilitarão a tomada de decisões.

Cabe também a esse grupo o treinamento e a preparação dos colaboradores. Essa tarefa é fundamental para que se consiga colocar em prática as estratégias traçadas, pois, se os colaboradores não se sentirem participantes do processo, não atuarão de acordo com o esperado e não haverá boa produtividade.

Aproveitando esse gancho, fica a cargo desses colaboradores, independentemente de sua área de atuação, a busca pelo atingimento das respectivas metas operacionais. Para que consigam fazer isso, terão que assumir as atribuições que lhes são designadas e, principalmente, manterem-se abertos para conseguirem entender que fazem parte ativa das operações.

Agora que você já conseguiu entender bem a importância de se fazer um planejamento corporativo dentro da empresa, aproveite para repassar este pequeno resumo para seus amigos e pares, compartilhando o conteúdo em suas redes sociais. Com certeza eles vão gostar!