Com o avanço da tecnologia, novos conceitos também surgem a todo o momento. E um dos mais importantes atualmente é o de smart cities, ou cidades inteligentes, em português.

Mas ainda que o termo seja bastante disseminado por aí, muita gente ainda não sabe seu real significado: a cidade, para ser inteligente, evolui constantemente e absorve as novidades tecnológicas em prol de uma maior qualidade de vida e da sustentabilidade.

Isso quer dizer que, por meio desse movimento, a sociedade se desenvolve com a integração de inteligências diversas e transforma sua gestão. Os problemas não são exatamente eliminados, mas ganham uma perspectiva de solução muito mais ampla, sensata e prática, em total respeito com o ambiente e com todos que nele vivem. E os impactos dessas ações na visão de mundo de seus habitantes são inúmeros.

No exterior, este cenário é uma realidade há alguns anos. E, mesmo diante de tantos percalços e dificuldades, nosso país também vem se adaptando muito bem à ideia, tendo boas referências na área como exemplo.

Ficou interessado sobre o assunto? Então continue a leitura deste artigo para saber mais!

Quais cidades podem ser citadas como bons exemplos do conceito?

O ranking denominado Connected Smart Cities é responsável por listar periodicamente as cidades inteligentes que mais se destacam ao redor do mundo. No Brasil, tanto cidades grandes quanto pequenas figuram na lista, e o mesmo vale para a abrangência mundial. Aqui estão alguns bons exemplos disso:

Cidades inteligentes no Brasil

Em princípio, podemos citar Pirassununga (SP), Quirinópolis (GO) e Tauá (CE) como cidades inteligentes no setor de energia. Os três municípios trabalham com fontes renováveis de energia, como biomassa e eólica, que são disponibilizadas para abastecer residências e centros urbanos.

As cidades de Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS), por sua vez, são destaques no que se relaciona à preservação e baixo impacto negativo ao meio ambiente. Outras cidades como Macaé (RJ) e Ipojuca (PE) saem na frente como polos tecnológicos de grande desenvolvimento econômico.

Cidades inteligentes ao redor do mundo

A nível mundial, a cidade de Songdo, na Coreia do Sul, é referência em planejamento urbano. Seu projeto de criação ainda será concluído em 2018, mas há sete anos o município vem sendo povoado.

A mobilidade e os espaços verdes são o que mais chamam a atenção, além do uso da tecnologia para reprogramação automática de semáforos e a adaptação de táxis aquáticos, que não prejudicam a água do mar.

Copenhague, na Dinamarca, é outro modelo de cidade inteligente invejável. Ela conseguiu reduzir cerca de 21% das emissões de carbono e está em uma corrida crescente para aumentar ainda mais este número.

A população é conhecida por ter aderido quase que em plenitude ao uso de bicicletas como meio de transporte sustentável, e muitas são equipadas com um GPS especial que indica até mesmo os locais de congestionamento no trânsito.

Quais são os reais impactos das cidades inteligentes para o cidadão?

Conforme as cidades se adaptam ao conceito de inteligentes e se organizam melhor para isso, o cidadão também recebe os mais diversos impactos desta mudança.

Tanto em seu modo de viver quanto de enxergar e compreender o ambiente, as transformações se aplicam na convivência em sociedade em questões que vão muito além da simples administração do ambiente. Os principais e mais interessantes, você conhece agora:

Eficiência econômica

Cidades inteligentes são reconhecidas como mais eficientes. Isso quer dizer que se destacam em sua eficiência econômica, ou seja, consegue eliminar custos desnecessários sem dificuldades e, por vezes, também gera uma receita maior por determinadas atividades. Mas, por que isso acontece?

Bem, uma cidade inteligente está apta a receber novos habitantes e, por conseguinte, mais empresas e centros industriais. Com isso, a arrecadação de impostos é alavancada, uma vez que o local se tornou mais atrativo e interessante para os negócios. Mais postos de trabalho são criados e a economia fica muito mais variada.

Praticidade

A tecnologia dos sistemas de informação permite que as cidades inteligentes sejam muito mais práticas e acessíveis. Os problemas de trânsito diminuem consideravelmente e alternativas diferenciadas de mobilidade são apresentadas, sem que em nada se prejudique o fluxo de atividades do local.

A automatização passa a ser parte da rotina e não é difícil se adaptar a ela. Existe conhecimento suficiente entre a população para absorver o aprendizado e repassá-lo com sucesso, garantindo o sucesso das alternativas implantadas.

Rapidez

Se há praticidade, há também rapidez. Ela está presente não só na realização de processos, mas também nas relações humanas. Entra em cena, então, um novo conceito: a comunicação e internet das coisas. Ela abrange formas de se comunicar de maneira simplificada por meio da tecnologia.

Hoje, temos os computadores e smartphones como principais canais, mas em breve, outros dispositivos tomarão seu lugar de acordo com a evolução da tecnologia. As pessoas ficarão cada vez mais conectadas e as informações correrão ainda mais rápidas, devido à redução de burocracia nos processos.

Diminuição do impacto ambiental

A diminuição do impacto ambiental, do consumo de energia elétrica e da emissão de CO2 faz parte do cidadão que vive em uma cidade inteligente. Ela se aplica em sistemas que permitem iluminação pública automatizada, ao utilizar fontes renováveis e estacionamentos que mostram vagas disponíveis como maneira de evitar tráfego, por exemplo.

Essas ações implicam não somente na economia de gastos operacionais, mas na redução de tudo o que interfere de forma negativa no meio ambiente. O resultado disso é um mundo mais limpo, sustentável e respeitoso.

Inclusão social

Assim como as empresas voltam seus interesses para uma cidade inteligente, o mesmo acontece com a população. Um município nesses moldes oferece uma segurança pública de qualidade e uma mobilidade muito maior, se tornando um local inclusivo para minorias e grupos específicos.

Idosos e portadores de deficiência física são alguns exemplos de nichos que são muito beneficiados pela tecnologia destas cidades. O acesso a serviços direcionados a eles é muito mais simples, de forma que conseguem se adaptar muito melhor a um ambiente repleto de facilidades, em que muitas vezes basta um toque para obter a solução necessária.

Como você pode perceber, o conceito de cidades inteligentes está se espalhando pelo mundo. Muito em breve todos nós faremos parte de uma incrível transformação e viveremos muito melhor, fazendo muito mais pelo nosso planeta.

Agora que você já entendeu melhor sobre este assunto, pode se aprofundar na questão da mobilidade urbana e seus principais desafios no Brasil. Afinal, tudo está interligado!