Entenda a relação entre sustentabilidade e transporte urbano

Com o crescimento desenfreado das cidades, provocado principalmente pelos avanços tecnológicos e científicos dos séculos XX e XXI, a mobilidade urbana tem se tornado um problema cada vez maior. Com o intuito de amenizar os efeitos negativos do trânsito, é necessário empregar cada vez mais a sustentabilidade no transporte.

Mas, afinal, o que a sustentabilidade tem a ver com mobilidade urbana? Entenda melhor a relação entre esses dois conceitos a seguir. Confira!

Entendendo o cenário atual

Durante as últimas décadas, as grandes cidades têm deslocado um enorme contingente de imigrantes que buscam por mais oportunidades e qualidade de serviços. Contudo, a falta de planejamento e infraestrutura impedem que muitas pessoas tenham acesso a esses bens.

Isso ocorre porque as sucessivas gestões governamentais não obtiveram sucesso com as políticas de planejamento urbano, o que desencadeou diversos problemas, como a piora do trânsito, a especulação imobiliária em áreas centrais e a falta de mobilidade urbana.

Em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, o problema fica ainda mais evidente, seja pelas filas quilométricas de engarrafamentos ou pelas multidões que atravessam o metrô e os terminais rodoviários durante o horário de rush.

Com o transporte público defasado, a maioria das pessoas com melhores condições financeira opta pelo transporte privado, que, devido à sua enorme frota, agrava o problema da mobilidade e é um dos principais responsáveis pela poluição atmosférica em espaços urbanos.

A questão ambiental

Com a crescente frota de veículos particulares circulando nas cidades, cresce também o número de poluentes prejudiciais à população, que tem cada vez mais doenças respiratórias, e ao meio ambiente, que tem suas poucas áreas verdes prejudicadas.

Isso ocorre porque alguns desses gases poluentes liberados contém óxidos de nitrogênio e de enxofre, que, quando entram em contato com a água da chuva, tornam-se ácido, causando o fenômeno denominado de chuva ácida, capaz de deteriorar tanto as áreas verdes quanto o patrimônio histórico dessas cidades.

transporte urbano

Além disso, a questão climática também é um fator preocupante, uma vez que a queima de combustíveis libera gases como o dióxido e o monóxido de carbono, responsáveis pelo agravamento do efeito estufa.

Por fim, grande parte desses veículos são movidos a combustíveis derivados do petróleo, como a gasolina, e a exploração desse recurso tem grande potencial para causar impactos ambientais, seja pelo próprio ato de perfuração do solo ou pelos derramamentos de petróleo que inviabilizam a vida em ambientes aquáticos e terrestres.

A sustentabilidade e transporte urbano

Para combater esses problemas, é preciso entender o conceito de sustentabilidade, que define que algo é sustentável quando é capaz de se manter por um longo período de tempo.

Apesar de parecer vago, é um conceito relativamente simples de se entender. Por exemplo, com a atual mobilidade reduzida e o aumento da poluição atmosférica, o sistema de transporte não é capaz de se manter por um longo período de tempo.

E isso vai além, pois, com o atual consumo sem consciência de combustíveis derivados do petróleo, esse recurso tende a se tornar cada vez mais escasso até acabar, o que, futuramente, significará um problema ainda maior.

Dessa forma, aplicar a sustentabilidade no transporte urbano requer, entre outras coisas, aprimorar a circulação de veículos e pessoas dentro da cidade, encontrar fontes alternativas de energia, assim como evitar qualquer tipo de desperdício, seja de recursos naturais ou de energia.

Cidades mais inteligentes

As inovações do mundo globalizado também têm ganhado cada vez mais destaque e são as principais aliadas no transporte sustentável, seja pela redução de custos ou auxiliando os serviços já existentes.

Em meio aos debates sobre como otimizar os processos que envolvam os meios de transporte, surge o conceito de cidades inteligentes, que buscam utilizar os meios de comunicação para criar uma rede de informações que integre o espaço urbano a fim de otimizar o planejamento e melhorar a infraestrutura atual.

Transporte em cidades inteligentes

Uma das cidades inteligentes mais reconhecidas internacionalmente é Amsterdã, que se comprometeu em reduzir as emissões de carbono em 40% até 2020 e hoje já conta com a maior frota de ciclistas do mundo.

Mas não pense que apenas cidades europeias e norte-americanas entram na lista de cidades inteligentes. Curitiba vem se destacando desde a década de 1970 quando o assunto é transporte e mobilidade urbana.

Curitiba e o BRT

Representando o Brasil, Curitiba, capital do Paraná, inventou o modelo de transporte BRT, ou Bus Rapid Transit, que, em português, significa Ônibus de Trânsito Rápido, um dos modelos de transporte sustentáveis mais utilizados no mundo.

A Rede Integrada de Transporte (RIT) de Curitiba consiste em uma extensa malha rodoviária composta por linhas e corredores exclusivos para a passagem de ônibus especiais, que permite a circulação de passageiros com o pagamento de uma tarifa única.

Esse sistema teve tanto sucesso que serviu de modelo para outras cidades brasileiras, como Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro e, posteriormente, outros países também adotaram o modelo, como França, Reino Unido, Holanda e Estados Unidos.

Outras soluções inovadoras

São muitos os desafios ligados ao aprimoramento da mobilidade urbana. A diminuição da frota de veículos particulares é o maior deles e só será possível com melhorias no sistema de transporte público.

Para isso, é necessário que o governo comece a desenvolver planos de gestão mais eficientes, como a criação de corredores exclusivos para ônibus e táxis em conjunto com a integração dos diversos terminais da cidade.

Outra forma de ajudar a amenizar o problema é por meio da implementação de tarifa única tanto em táxis quanto em ônibus, como já se faz em São Paulo.

Além disso, investimentos em infraestrutura, como estender a malha metroviária e integrar ciclovias às principais áreas da cidade são outros meios de estimular o uso de transportes alternativos.

Como aplicar a sustentabilidade no transporte diário

É importante lembrar ainda que a ação governamental é o melhor jeito de implementar a sustentabilidade no transporte. Porém, você pode adotar algumas medidas e se tornar sustentável por conta própria.

Uma das maneiras de fazer isso é adotando combustíveis verdes como principal fonte energética, como o álcool e o biodiesel, que são provenientes da cana-de-açúcar.

Eles também liberam óxidos de carbono, mas, durante seu ciclo de vida, a planta realiza a fotossíntese, que captura o dióxido de carbono do ar, não contribuindo para o aumento desse gás na atmosfera.

transporte corporativo e sustentabilidade

Outra forma de adotar a sustentabilidade no transporte é por meio do uso de bicicletas. Hoje já existem empresas que disponibilizam bicicletas para uso de seus colaboradores, seja para o deslocamento interno ou externo. Além de mais divertido, a medida sustentável também ajuda a reduzir os gastos com transporte.

Vale lembrar que o primeiro passo para aplicar a sustentabilidade no transporte é a conscientização, e esperamos que esse texto tenha te ajudado a entender melhor o problema da mobilidade urbana e sua relação com a sustentabilidade.

Ficou com alguma dúvida ou tem algo que você gostaria de acrescentar sobre a sustentabilidade no transporte? Conte para a gente deixando seu comentário a seguir!

Descubra como otimizar sua gestão de transporte com ebook abaixo:

Gestão de transporte coorporativo